Total de visualizações de página

Seguidores

segunda-feira, 11 de julho de 2011

CHAKRAS & GLANDULAS ENDOCRINAS 2 parte.


O Chakra Laríngeo

  Atua sobre as estruturas da região do pescoço: boca, cordas vocais, traquéia, as vértebras cervicais, a tireóide e paratireiodes, regendo a respiração, a fonação e a comunicação. Tem relação com o fenômeno mediúnico de psicofonia e clariaudiência.

Segundo Miramez, o exagero no silêncio ‘acumula energias de difícil desembaraço que se enroscam nos nossos centros de força provocando lentidão.’ Os pensamentos e idéias produzidos nos chakras superiores precisam ser escoados. Por outro lado, continua ele: “Conversar demais é abuso do dom, quem fala sem freio, tomando o espaço para dois conversarem é doente.”

“Esse centro funciona apropriadamente quando deixamos de censurar os outros elas nossas falhas e nos aventuramos a criar o de que precisamos e desejamos.” Ann Brennam - Mãos de Luz

Possui 16 raios. Suas cores são o azul claro e o prata. O azul claro é a cor da comunicação, sempre observável nas pessoas que trabalham com esta área.

Esse chakra guarda estreita relação com as emoções, a origem da palavra ‘garganta’ que vem do latim e quer dizer: angústia em referência ao primeiro grito do nascimento.

            O desenvolvimento dessa área relaciona-se muito à primeira infância, à amamentação e aos cuidados maternos dos quais derivam nossa auto-estima, segurança e assertividade.

Desejas desenvolver teu chakra laríngeo? 
           Fala Cristamente. Afasta toda conversa frívola e maledicênte.

Ao falar usar de amor e alegria vibrante, jamais falar deprimido, não falar em demasia, para não cansar o ouvinte e modular a voz para que seja agradável e não fira o ouvido.
Jesus antes de curar falava, pois a palavra uníssona com as Leis Universais da Vida e do Amor tem o poder de curar.

As palavras podem mudar o curso do metabolismo celular, pois a boca pode desintoxicar o campo de forças da alma, desembaraçando energias vibrantes que circulam no mundo interno. 
                
Glândula Tireóide

A glândula tireoidiana tem o formato de uma borboleta e se situa na frente do pescoço, abaixo do pomo-de-adão, entre a pele e a caixa vocal. Ela possui um lobo direito e um lobo esquerdo com aproximadamente 5 cm de comprimento, unidos no meio.
 
A Tiróide surge do mesmo tecido e quase do mesmo ponto que o lóbulo anterior da hipófise. Age co controle do organismo e é responsável pelo funcionamento de todas as células do corpo através dos hormônios conhecidos como tiroxina (T4) e triodotironina (T3).

A importância da Tiróide é acentuada pela riqueza de sua circulação. Essa glândula recebe mais ou menos quatro vezes mais sangue, em proporção ao seu tamanho, do que os rins, os quais destacam-se pelo seu alto grau de atividade funcional. É mais pesada na mulher do que no homem tornando-se maior durante a excitação sexual, na menstruação e na gravidez.

De acordo com uma notável autoridade, Gaskill, a Tiróide foi uma glândula sexual. O Dr. Berman diz: Nos vertebrados inferiores bem como nos superiores os tecidos dessa glândula estão intimamente conectados com os condutos dos órgãos sexuais. São na verdade órgãos sexuais acessórios, satélites do processo sexual. A Tiróide emigra mais e mais para a região da cabeça, a fim de tornar-se o grande elo entre o sexo e o cérebro.

A Tiróide é uma glândula de energia. Sua secreção é a controladora do ritmo do viver, de tal modo que quanto menor seja a quantidade de secreção tanto menor será o nível de atividade.
A rapidez com que se produzem as reações químicas que constituem os processos da vida, dependem da Tiróide.
Quando as reações se aceleram, o oxigênio e a matéria alimentar se oxidam, portanto, libertam mais energia e o indivíduo pode pensar, sentir, ver e atuar mais rapidamente.
A Tiróide parece mesclar mais oxigênio com as células alimentares e ao mesmo tempo libertar energia para ser usada como calor, movimento e outras necessidades.
 O aumento de Tiroxina dobra o aumento de energia. Não é somente o grau de tensão da energia nas células do organismo que é controlado pela Tiróide, mas a mobilidade dessa energia, pois sem a secreção dessa glândula, o rendimento de grandes e rápidas flutuações de energia, a sua elasticidade, flexibilidade e mobilização para a execução de um rápido ato muscular, numa emergência, seria completamente impossível.

A glândula tireóide é responsável pela produção dos hormônios que controlam o metabolismo (conversão de alimentos em energia) e regulam a temperatura do corpo. Dá equilíbrio ao cérebro, auxilia a digestão, mescla o ferro com as substâncias alimentares, segrega o Iodo que combate os venenos do corpo, coopera no controle da quantidade de gordura. 

            Os hormônios produzidos pela glândula Tireóide são a Calcitonina que inibe a remoção de cálcio nos ossos, e a Tiroxina que atua sobre a taxa metabólica basal. A insuficiência da secreção da Tiróide, a Tiroxina, causa o cretinismo na criança e o mixedema no adulto. Quando há carência de lodo na secreção da Tiróide, a glândula entra em superatividade para tentar compensar essa falta chegando até a aumentar de tamanho. Essa doença é chamada de Bócio. Pode manifestar-se de forma aguda ou crônica.

           
As glândulas paratireóides

São quatro e localizam-se atrás da tireóide. É o hormônio Paratormônio que regula o cálcio plasmático, controlando os níveis de cálcio e fósforo, que são essenciais para se ter ossos saudáveis e um funcionamento eficaz dos nervos e músculos.

 Comparação entre a Hipófise e a Tireóide

A Tiróide está mais diretamente vinculada com as paredes internas e externas do corpo: a pele, a coberta externa das glândulas, o cabelo, as membranas mucosas e a sensibilidade nervosa.
A Tiróide ocupa-se especialmente com a regulação da forma ou contornos e terminações dos órgãos.A Hipófise atua mais sobre a estrutura do corpo: o esqueleto e os mecanismos de sustentação e de movimentação do corpo.
 A Tiróide facilita a produção de energia ao passo que a Hipófise, o seu consumo.
A Tiróide ocupa-se especialmente com a regulação da forma ou contornos e terminações dos órgãos.

Nenhum comentário: